Olhando para o nosso primeiro ano

Nós aqui na Meli, estamos olhando para trás em um maravilhoso primeiro ano desde nossa fundação em outubro de 2020, e queremos compartilhar com você os pequenos e grandes sucessos desse primeiro ano!

Autoras: Ana Rosa de Lima Tovstige e Kyra Hertel
Read in English. Auf Deutsch lesen.

:
Tudo começou em outubro de 2020 quando uma nova geração de jovens líderes da região amazônica se reuniu para iniciar a Meli – como uma organização que visa transformar a região amazônica em um “Arco de Regeneração”.
2021 foi um ano difícil, com muitos desafios. Nestes tempos difíceis, a Meli Bees Network tornou-se uma comunidade maravilhosa que nos mostrou: se nos mantivermos unidos, coisas maravilhosas podem acontecer! Então vamos dar uma olhada no que criamos no primeiro ano da Meli.
:

Nosso trabalho

O contexto social e político em que vivem as comunidades amazônicas é muito complexo. Uma parte dessas comunidades são os guardiões das poucas áreas de floresta primária da região, formando “ilhas verdes” dentro de uma paisagem que foi invadida pela monocultura e pela amplamente divulgada queima de florestas. Algumas delas foram vítimas de abusos dos direitos humanos, como a escravidão moderna ou mesmo o assassinato de seus líderes.

Meli trabalha com comunidades na região amazônica, pesquisadores e grupos ambientalistas em todo o mundo. Com atividades como meliponicultura, agroflorestação e proteção da floresta primária, a Meli criou atividades que permitem que as pessoas e a terra floresçam. Vamos apresentar-lhe algumas das comunidades da região amazônica com as quais Meli tem trabalhado no seu primeiro ano.
:

Nossos parceiros da região amazônica

Bracinho do Icatu: Mulheres Quilombolas Compartilham suas Histórias
O primeiro projeto da Meli foi nosso trabalho com as mulheres quilombolas de Bracinho do Icatu – elas são as nossas primeiras parceiras na região amazônica!
O projeto financiado pela Ecam – Equipe de Conservação da Amazônia nos permitiu trazer uma oficina de contadores de histórias para o grupo de mulheres que queria aprender mais sobre este assunto. Os nossos corações ainda estão cheios de alegria quando pensamos na oficina que tivemos com elas! Com Cynthia Rabelo, Nubia Suriane e Vitoria Cruz, criamos um panfleto com informações sobre como elas podem contar suas histórias e fortalecer suas vozes.

:

Frei Henri: Agroflorestação para a proteção da Amazônia e sua comunidade local
A pequena comunidade Frei Henri está localizada na Amazônia, no “Arco do Desmatamento”. Para fortalecer nosso relacionamento e ouvir as histórias locais, desenvolvemos uma oficina de contação. Com esta base, depois preparamos nosso trabalho agroflorestal com esta comunidade inspiradora. Eles participaram de duas oficinas de Agroecologia lideradas por dois dos experientes Agroecologistas da Meli, Francisco Alves e José Enio.
Hoje, a comunidade Frei Henri está desenvolvendo seu próprio sistema agro-florestal e está pronta para estabelecer sua área de meliponicultura em janeiro! Suportados pela L’Occitane, somos capazes de apoiar esta forte comunidade e multiplicar seu efeito positivo sobre a região amazônica!

:

IALA: Cuidados com as abelhas nativas da Amazônia para construir o Arco de Regeneração
O IALA Amazônico é um instituto de agroecologia do assentamento de Palmares. Esta é a primeira comunidade que poderíamos apoiar, construindo colméias nativas na região amazônica! Mas primeiro nossa especialista em meliponicultura, Thalita Barredo, realizou uma oficina sobre abelhas sem ferrão. Foi tão bom ver como nossos amigos da IALA, jovens e adultos, se divertiram muito enquanto aprendiam e construíam suas primeiras colméias! Em uma oficina de contação dirigida por nossa especialista Cynthia Rabelo, também esta comunidade aprendeu como fortalecer suas raízes e vozes. Um grande obrigado ao Hand-in-Hand-Fonds de Rapunzel e da Deutsche Umwelthilfe por tornarem isto possível!

:

Aldeia indígena Printi-Pàr: Meliponicultura e mais
A Líder Gavião Tuxati Jonkahynti Jakankrati Parkateje inspirou Meli mesmo antes de seu “início oficial”!
Depois de muitos desafios durante os tempos da pandemia mundial, os sonhos que reunimos durante nossas primeiras conversas sobre abelhas sem ferrão estão finalmente se tornando realidade – você pode saber mais sobre esta parceria em breve!

:

Assentamento 1° de Março: Agroflorestação para a subsistência sustentável no Arco do Desmatamento na Amazônia
Você pode encontrar o Assentamento 1° de Marco diretamente na área com grave perda florestal no Brasil — o Arco do Desmatamento. Com o apoio da Ecosia, somos capazes de apoiar a comunidade na sua ação de reflorestamento das áreas mais ameaçadas da Amazônia!

:

A cooperação frutífera com as comunidades só foi possível porque a Rede Meli Bees foi apoiada pelas parcerias mencionadas acima e muito mais. Portanto, queremos agradecer a todos os nossos parceiros que nos permitiram florescer e crescer com as comunidades da Amazônia!
:

Eventos e Conexões

Outra fonte de energia durante esse ano foi participar de eventos, redes e prêmios internacionais.

Meli foi mencionada durante o Lush Spring PrizeAncient and Indigenous Wisdom Award e participou do Klimawoche, onde recebeu o 3º lugar na categoria sem fins lucrativos do prêmio “Digitalização das Metas Globais”.

Também participamos do Festival Umundu Lisbon 2021 em Lisboa e do Food Systems Game Changers Lab, como parte do cohort Elevating Indigenous Food System.
:

Um grande agradecimento!

A frutífera cooperação com as comunidades só foi possível porque a Rede Meli Bees encontrou apoio em maravilhosas parcerias. Por isso, queremos agradecer aos nossos parceiros que nos permitiram florescer e crescer com as comunidades amazônicas.

ProjectTogether apoiou Meli com uma bolsa para garantir o desenvolvimento das atividades de Meli por 12 meses!

Ecam foi nosso primeiro parceiro em um projeto. Eles apoiaram Mulheres Quilombolas para compartilhar suas histórias com nossa oficina de contação de histórias.

A Fundação L’Occitane e a L’Occitane Alemanha fizeram parceria conosco e financiaram o projeto Agroecologia para a proteção da Amazônia e suas comunidades, para apoiar a comunidade de pequenos agricultores Frei Henri.

O Hand in Hand-Fonds, apóia o desenvolvimento de um meliponário (área de apicultura nativa) no IALA Amazônico, instituto de agroecologia da comunidade de pequenos produtores de Palmares.

Ecosia fundou o projeto Agroflorestal para meios de vida sustentáveis no arco do desmatamento na Amazônia, Brasil; para apoiar as atividades agroflorestais da comunidade de produtores rurais de 1º de Março.
:

E no próximo ano?

Estamos muito gratos por essas experiências que nos permitem continuar nosso trabalho com as comunidades da Amazônia. Com a Meli Bees Network, cooperamos de forma próspera para alcançar um grande e efetivo impacto positivo no clima global. Isto só é possível graças a vocês como parte da próspera comunidade que a Meli tem crescido ao longo do último ano.
Olhando para o ano passado, não podemos esperar pelos próximos 365 dias. Temos muitos planos! Portanto, fique atento – há muito para ver e experimentar junto com Meli e as comunidades amazônicas em 2022!

.

A sua doação faz toda a diferença!
Vamos manter o contato!
Pode nos encontrar também no LinkedinFacebookTwitter ou Instagram 
www.meli-bees.org

2 Replies to “Olhando para o nosso primeiro ano”

Leave a Reply

Your email address will not be published.